UM BLOG SOBRE TUDO UM POUCO E SOBRE MERDA NENHUMA!!!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

A história da minha vida...

🙄😒


Muito adequado a reuniões importantes, consultas a doentes psiquiátricos e acima de tudo em funerais...a história da minha vida social...


segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Mini Cooper Countryman

Estou tão, mas tão, mas tão, apaixonada!!! ❤️


Nota:
Atenção amantes do Mini Cooper - Informaram-me hoje que os Mini's a partir de Agosto de 2010, que partilham motor da BMW, e que têm o motor N47, dão muitos, mas mesmo muitos problemas (não faço puta de ideia do que é que isto significa mas achei que era lindo partilhar). 
Mas fora isto estou completamente apaixonada por ele (o carro).


Amarguinha

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A Erva das 8h da manhã...

Eu - Ai que giro, a Sra. X cheira-me tanto a Santa Sapina...
Paciente - Como?
Eu - Você cheira imenso a uma coisa que me davam em criança. Cheira-me bem...cheira-me a erva.
Paciente - COMO?
Eu - Santa Sapina...você sabe...o xarope de ervas que antes se dava às crianças, quando tinham tosse. 
Paciente - Ah, isso...deve ser da pomada que coloquei para as dores.
Eu - Deve ter a mesma erva.
Paciente - Pois...exacto...erva.

Conclusão:
Já todos percebemos que quando eu dou consultas às 8h da manhã (e sem café) as coisas correm mal...



Oitchencha e oitcho minutchos..

terça-feira, 13 de setembro de 2016

A vaselina que dá para tudo...

Fiquei aqui a pensar numa coisa...

Sobre os 30 usos da Vaselina Vasenol:


já viram que dá para tudo (até para pentearem as sobrancelhas), só não dá para (o uso mais conhecido da vaselina): levar no c*?!

No meu tempo tinham vergonha de ir ao supermercado comprar vaselina (toda a gente sabia o objectivo), agora é moda!!!! 😒



Ameixa Seca 😒

domingo, 11 de setembro de 2016

Como prever um dia do capeta...

Contrariamente ao que o mais comum dos mortais julga, o dia não começa de manhã. Não, não! 
O dia começa às 00h00...ou seja, o dia (na realidade) começa de noite, na noite anterior, e os acontecimentos após as 00h00 são fundamentais para preverem como será o dia.

E a minha noite anterior foi assim: 
Chego a casa depois de um dia de trabalho extenuante, e encontro o Ben (gato) possuído pelo demónio. E todos sabemos que quando os gatos estão possuídos é um sinal premonitório de destruição iminente.
A televisão avaria-se...e com ela avaria-se o computador (no que toca a premonições, avarias electrónicas representam Azar nível III).
Sem computador e sem televisão, decido não tocar em mais nada que seja de fonte tecnológica (excepto o interruptor da luz) e ir para a cama mais cedo.
No quarto, tenho 3 animais (e o gato não era nenhum deles). Qual é a probabilidade de me aparecerem uma aranha, uma abelha e uma melga, na mesma noite em casa? Exacto...nenhuma. Encho-me de coragem e mato aranha (leia-se: quase tarântula) com um sapato, enquanto grito muito. Ainda aos gritos, constato que a abelha já está morta, mas mesmo assim continuo a gritar enquanto a apanho com uma pá e me despojo do corpo na sanita.
A melga nunca mais a consegui apanhar, ficando com a clara noção que este animal maquiavélico me ia picar as pernas todas, durante a noite.

O dia do Capeta (mais um):
Pois bem, é de dia. Acordo e descubro que a melga, que não matei ontem, me picou durante a noite - não nas pernas - mas na cara (a puta), e fez-me uma borbulha gigante no queixo.
Se há coisa fodida para acontecer a uma pessoa de 34 anos, é aparecer uma borbulha na cara. Porque, sejamos honestos, alguma vantagem temos de ter relativamente às jovens e adolescentes que têm tudo no sitio, não é verdade? 
A borbulha dói para car***o, porque o veneno deve ser de melga mutante. Então, eu (contra todos os conselhos sábios que a minha esteticista me deu ao longo da vida) rebento esta borbulha, com muita dor e sacrifício, até fazer uma ferida (leia-se: escoriação) que parece que fui mordida, não por uma melga, mas pelo Mike Tyson. Vejo-me no espelho, enquanto contemplo a bela merda que fiz. Após alguns tutoriais no YouTube, decido que os passos seguintes para resolver este (enorme) problema, são respectivamente: desinfectar com álcool a 96º, Betadine, creme gordo, Bepantene, vaselina, nívea da caixa azul, novamente álcool e (já em desespero) argila, pasta de dentes, vinagre, azeite, óleo essencial de alfazema (fora de validade) e gelo. 
Depois de todas estas tentativas terapêuticas, a minha cara continua como merda, e eu decido camuflar a ferida com base (ridículo e nada infeccioso), pó compacto, corrector de olheiras e apercebo-me que nada resulta. 

Vou para o escritório (atrasada, claro!), e, ainda nem andei 200 metros, quando o carro decide acender as luzes todas ("STOP! STOP! STOP!" " TEMPERATURA DO MOTOR EXCESSIVA") e parar no caminho. Desgraça...horror...tragédia...reboque...carro na oficina...lágrimas (por esta mesma ordem).

Aqui a pessoa, desesperada e infeliz, não vai trabalhar, e, já que perdeu o dia de trabalho decide ir ao Centro Comercial junto à sua casa.

Já no Centro Comercial, ignoro os olhares de horror face à minha face (trocadilho Top!), e, de forma a sentir-me mais bonita, decido ir à cabeleireira mais fina que lá está, cujas cadeiras onde lavam a cabeça fazem massagem nas costas, e o preço do corte é 25€ (coisa baratinha). 
E agora é assim, se há coisa que eu prezo, se há coisa que eu tenho orgulho, se há coisa linda, lustrosa e comprida - como as crinas do "meu pequeno pónei" - é o meu cabelo


A cabeleireira (leia-se: perita em cabelos longos), chamemos-lhe Jurema, é brasileira e tem um ar tranquilo e delicado, diz que me vai deixar muito mais leve (na cabeça e na carteira), porque o cabelo precisa de corte.
A Jurema lava-me a cabeça muito devagarinho, durante 30 minutos, enquanto estou deitada na cadeira de massagem vibratória, com a cabeça em hiper-extensão (bom para AVC's). Enquanto isto, conta-me toda a história de vida...que é cabeleireira há pouco tempo (alarme!)...que tem 5 filhos, todos no Brasil...que está em Portugal a trabalhar para lhes proporcionar uma vida melhor.
Vamos para o corte. De repente, e não sei bem porquê, começo a pensar naquele tutorial que vi no YouTube, hoje de manhã, que ensina a cortar o cabelo em casa, baixando a cabeça e fazendo um rabo-de-cavalo - chamemos-lhe intuição - e penso para comigo, que uma mulher tem de ser muito irresponsável para fazer cortes em casa e não confiar numa profissional.
A Jurema pede-me para baixar a cabeça, e tal como no tutorial, faz-me um rabo-de-cavalo e corta-me o cabelo aos 10 centímetros de cada vez, enquanto eu beijo os meus próprios joelhos (bom para compensar a posição de hiper-extensão em que me lavaram a cabeça - parece quase uma aula de yoga - daí o preço). No fim, diz para atirar a cabeça para trás, qual truque de magia. Olho para o espelho e vejo o meu cabelo (outrora lindo) com o corte que a Jurema jura (a pés juntos) que não tirou comprimento e que dá muita leveza ao cabelo. 


Coloquemos isto assim, continuo a parecer o pequeno pónei, se este levasse a crina cortada à pedrada.
Encaro a Jurema nos olhos, e digo "demónio, cabra da peste, filha do capeta" (mentalmente. Porque a senhora tem 5 filhos para criar e eu não quero ser responsável pelo seu despedimento). Páro, e tento arranjar mais uns insultos brasileiros para lhe chamar (mentalmente), mas só me consigo lembrar da novela em que elas comiam uma flor e aparecia o Jorge Tadeu ao pé de uma árvore. Mantenho o olhar insultuoso de "cabra da peste".


Vim para casa, com um penteadinho à "foda-se" e menos 25€. 
Chegada a casa, bebi vinho, bati no gato, e, chorei até adormecer.


A vossa azarada nível IV

Ameixa Seca

Nota*
Quando o dia começa a correr mal, é das 00h00 às 00h00...


sábado, 10 de setembro de 2016

O copo menstrual (Sim, leram bem!) - versão para Tótós!

Minhas princesas do SPM, e, príncipes que tentam compreender o que é o SPM; cá estamos nós para leccionar, desta feita com temas sobre a vagina.

O Período - para Tótós:
Tal como todos sabem, o vaginásio*, apresenta (uma vez por mês) uma manifestação de reprodutibilidade, que se caracteriza por 1) dor excruciante, 2) perdas intensas de glóbulos vermelhos e saídas de tecido uterino, e, 3) descontrolo hormonal, que origina, desejo compulsivo de comer merda (batatas fritas banhadas em chocolate), desejo compulsivo de ler merda (E. L. James), desejo compulsivo de ver merda ("A única mulher"), desejo compulsivo de chorar como a merda (Quando o Luís Miguel da novela ressuscita da sua 97ª morte), desejo compulsivo de dizer merda (é o caso de hoje), e, finalmente, o iminente desejo compulsivo de matar o namorado/marido/amante quando este se põe a gracejar "Se estás com o período, hoje é para o cuzinho"!


As opções para não ser isco de tubarões - para Tótós:
Os meios de contenção hemorrágica têm sofrido drásticas mudanças ao longo dos anos.
No tempo das nossas bisavós existia a toalha turca, que se metia no meio das perninhas quando o período vinha ou então quando se queria fugir dos favores sexuais aos maridos que só tomavam banho antes da missa de Domingo (cheirando a um misto de vinho, aguardente, chouriço, toucinho corado, sardinhas, fogueiras e candeeiros a petróleo).
Ainda no tempo das nossas avós apareceu o penso higiénico - o Reglex - pouco maior do que uma almofada de apoio cervical (healthcare pun), que grande parte das mulheres colocava nas cuecas ao contrário, ficando a parte absorvente para baixo, e a parte da (resistente) cola para cima, colando assim o penso higiénico nos fartos pintelhos, e, nascendo neste momento a moda da depilação virilha total (a.k.a. depilação brasileira).
Nos tempos das nossas mães começaram a aparecer os pensos higiénicos finos estilo "sentes-te limpa, sentes-te bem", ou seja, Evax e Ausónia. Com o aparecimento destes pensos surgiram também os tampões O.B. e Tampax. Até há poucos anos todas usávamos isto. No entanto, descobriu-se que os tampões e os pensos fazem coisas más à nossa saúde reprodutora.
Por outras palavras, isto está tudo obsoleto, é tudo merda, já ninguém quer e ninguém usa, e, a moda da Vagina agora é outra.


Vaginas Fashion - para Tótós:
Vamos então falar dessa nova moda, desse genial objecto hipster: o copo menstrual, também chamado colector menstrual. E para quem está a ouvir/ler este termo pela primeira vez, estará certamente a pensar, mas e o que raio é um copo menstrual?
Explicação fácil e rápida - o copo menstrual é um copo que se mete pela c**a adentro, e que colecta o sangue do período.
Explicar é fácil, difícil é fazer.


O copo menstrual - para Tótós:
Comecemos pelo copo em si. Não, não é um balão de vinho tinto do IKEA, nem tampouco um pequeno shot de tequilla. O copo é constituído por um material cirúrgico hipoalergénico - o Elastómero Termoplástico ou TPE - altamente maleável, que se adapta às paredes da vagina, o que o torna muito confortável de utilizar. É reutilizável até 7 anos, o que o torna amigo do ambiente e particularmente económico. O preço varia consoante a marca, entre os 20€ e os 30€, e as marcas mais conhecidas são Lunette, LadyCup, MeLuna. Inicialmente parece caro, mas demoram poucos meses a perceber que poupam mais do que se usarem pensos ou tampões.
Têm várias cores, o que não interfere em nada com a sua utilização, mas é maricas à brava.
Os tamanhos vão do S (mulheres que nunca foram mães) ao XL (túnel do Grilo).
O copo, quando é bem colocado, não tem quaisquer fugas, porque faz um efeito de vácuo. Coloca-se dobrado, larga-se e faz vácuo. Dura até 8 horas e depois quando é para tirar é só puxar o rabinho do copo, apertar o fundo (para soltar o vácuo) e tirar com jeitinho.
Desvantagens:
- Temos de o ferver (antes e após a menstruação, ou seja 2 vezes por mês) no fogão dentro de uma panela ou tacho, o que faz com que os amigos comecem a recusar convites para jantar lá em casa.
- Até percebermos como se retira, limpa e coloca sem sujar, vai parecer que o Alien passou na nossa casa de banho.
- Até compreendermos como se coloca sem magoar, qual a posição certa, e se faz ou não vácuo, temos de ler muito e ver muitos tutoriais.


A nossa experiência - como Tótós:
Escolhi um "S", transparente, da marca Lunette. Foi um filme para conseguir meter o copo. 
Primeiro, tive de ver (pelo menos) 8 tutoriais brasileiros no youtube, um dos quais era explícito (e a senhora tinha uma pintelheira que, se Reglex colasse naquilo, ia ser uma tragédia).
Depois, descobri que existem algumas 15 formas de dobrar o copo, ele é em "C", ele é em "U", ele é em "S", ele é em "7", ele é em "conchinha", ele é em "boquinha de peixe", etc. Após treino intenso consegui descobrir que o melhor para mim é a "boquinha de peixe".
Por fim, andar com aquilo foi esquisito, tirar aquilo foi uma aventura, mas agora já me estou a habituar, e já me parece mais confortável que o tampão.

Dicas - para Tótós: 
- Pintem as unhas de vermelho (vão agradecer-me mais tarde).
- Estão a ver aquela vaselina dos 30 usos da Vasenol...? Aquela que dá para as rugas, para os lábios, para a pele irritada após a depilação, para as feridas, para as gretas dos pés, para alargar os sapatos...esta vaselina que, pelos vistos, dá para tudo, menos para levar no...na mala. 
Pronto, estão a ver esta vaselina? Sim? Exacto...De nada!


Da vossa amada

Tia Ameixa Seca (era seca...era! Mas agora com Vasenol...)


*Vaginásio (s.m.) - Aquele sitio feminino, onde (com sorte) se batem umas bolas.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Ressuscitei a morta às 8h da manhã!!!

Paciente (visivelmente abatido) - "Desculpe ter faltado à última consulta doutora...mas a minha avó, que me criou, e, que estava muito doente, faleceu. E o funeral calhou mesmo naquele dia."


Eu (toda estremunhada e ainda sem ter bebido café, mas cheia de boa vontade, levanto-me e dou um abraço ao paciente) - "Força António. Mas segundo me contou, ela também já estava muito mal e a sofrer muito."


Paciente (a conter as lágrimas) - "Pois é...secalhar foi melhor assim..."

Eu (a tentar animar o paciente, e, a continuar a conversa sem café) - "Mas mudemos de assunto. Então, e a sua avó, como é que está?"

Paciente (completamente atónito) - "Ah...MORTA!"


Eu (Poker Face! Pânico! Penso para comigo que sou uma anormal mas mantenho-me em silêncio absoluto) 

Paciente (esboça um sorriso ao ver a minha expressão perdida, e tenta soletrar muito devagarinho) - "Doutora...funeral...morta...porque se estivesse viva não a tinha enterrado."

Eu (hirta como uma estátua, só mexo os olhinhos à procura de um buraco para me enfiar...) 

Conclusão:
Sou uma idiota insensível!

Amêndoa Amarga